Economia #2 – A família como agente econômico

A família, como instituição mais antiga do mundo é a responsável por todo o conjunto de relações individuais e coletivas do sujeito tanto social como econômico. Como tal, ela tem um papel determinante para a atuação de todo e qualquer sujeito no contexto de realidade e de acordo com os modelos vigentes em cada sociedade.

“A instituição mais antiga que o ser humano criou”

A família é, talvez, a instituição mais antiga que o ser humano criou para organizar sua vida social. Faz parte da tipologia do agente econômico privado, como a empresa, e seu foco consiste na aquisição de bens e serviços para maximizar suas satisfações e necessidades que vão se derivando em função do tempo.

Com o advento do Iluminismo, vários conceitos tradicionais começaram a ser questionados. A história tardou a registrar, mas, nos tempos atuais, há volumosas ressignificações ao contexto familiar que afetam diretamente o comportamento da Economia, no geral, e das empresas em particular. Imagine um estabelecimento que décadas atendia famílias compostas por um homem, uma mulher e dois filhos.

Hoje, esse mesmo estabelecimento recebe outros tipos de famílias, como casais homoafetivos. Isso impacta diretamente nos tipos e nas quantidades de produtos disponíveis; nos preços estabelecidos; nas distribuições e nas comunicações de marketing. Famílias com menos crianças possuem condições aquisitivas melhores, o que pode influenciar nas decisões estratégicas e políticas de compra das empresas e assim por diante.


Fonte:

  • Economia de Empresas. Rafael dos Santos da Silva /Charlles Franklin Duarte.  (UniAteneu. 2017)