Sobrevivência no Mercado – Uma reflexão sobre Inteligência Empresarial

Conteúdo reproduzido do site administradores.com

O presente artigo foi escrito por Wagner Cardoso, Bacharel em Administração de Empresas, que estudou e analisou questões cruciais para a sobrevivência das empresas. O texto é pertinente e merece atenção:

“Ferramentas Estratégicas para sobrevivência Empresarial”

No mundo globalizado em que vivemos, diante da facilidade da comunicação e transição da informação e as rápidas mudanças tecnológicas, exige-se dos empresários modernos um alto nível de adaptabilidade, nível este, que deverá ser obtido através da justa alocação dos conhecimentos científicos da administração, com ferramentas técnicas específicas que os possibilitem tomar uma posição estratégica garantindo suas sobrevivências, tendo em vista o alto grau de competitividade em que as organizações deparam-se nos dias de hoje. Este projeto tem como foco o estudo de ferramentas que poderão ser utilizadas estrategicamente, buscando seu entendimento e suas utilizações desde seu princípio básico, para que obtenha melhor compreensão de seus conceitos e aplicabilidade. Os pontos abordados serão: Administração estratégica – É uma administração futurista que envolve sistemas, métodos e técnicas que visam o progresso da organização com resultados almejados, pré-definidos que deverão ser atingidos e envolve a empresa como um todo. Ferramentas estratégicas – Planejamento estratégico, organização estratégica, direção estratégica, controle estratégico, desenvolvimento estratégico, informação como ferramenta estratégica, Marketing como ferramenta estratégica e qualidade total como ferramenta estratégica.

INTRODUÇÃO

A estratégia teve sua origem nas atividades militares, com a comprovação da importância de sua utilização, para a obtenção dos êxitos alcançados por eles, o setor empresarial começou então, a estudá-las e aplicá-las em suas organizações. No mundo de hoje, as organizações deparam-se com mercados altamente competitivos, onde somente aqueles que se preparam para enfrentá-los conseguem sobreviver. A sobrevivência ocorre por meio de diferenciais constituídos em seu preparo, e como exemplos desses importantes diferenciais, configuram-se as ferramentas estratégicas, pois como o próprio termo sugere, a partir da aquisição dos conhecimentos dessas ferramentas, permite-se à organização posicionar-se estrategicamente no mercado em que atua, tornando-se mais competitiva. Nessa concorrência acirrada, pequenos detalhes podem determinar quem irá sobreviver, por isso a importância da utilização da inteligência empresarial, os mais inteligentes sobreviverão.

Como as organizações podem sobreviver no mundo atual? Em que as ferramentas estratégicas podem contribuir?

a decorrência desse estudo, serão apresentadas a importância da utilização da inteligência empresarial e quais as ferramentas que podem ser utilizadas que permitem um posicionamento estratégico. Essa pesquisa se limitará a demonstrar as ferramentas estratégicas para sobrevivência empresarial no setor privado brasileiro, como essas ferramentas podem contribuir com as empresas instaladas no Brasil. Este tema torna-se pertinente, uma vez que, as empresas encontram um alto nível de competitividade, dadas às situações que enfrentam na atualidade, causadas principalmente, pela facilidade da troca de informações e obtenção do conhecimento, proporcionadas pela globalização.

Objetivando destacar a importância da utilização das ferramentas estratégicas para a sobrevivência das organizações, este projeto mostra como as ferramentas estratégicas contribuem para que as organizações orientem-se, posicionando-se estrategicamente no mercado utilizando-as como fator diferencial, tornando-se mais competitiva que suas concorrentes.

Estudos e reflexões sobre a inteligência na sua forma mais comumente conhecida não são uma preocupação recente da humanidade. A inovação está na utilização desta questão sob um enfoque empresarial, que resulta em um processo que busca, a partir de dados brutos, transformá-los em informações importantíssimas, que anteriormente eram dispersas e sem grande utilidade, alocando-as a uma gestão inteligente.

Segundo Paiva (www.ead.fea.usp.br) “a inteligência humana é considerada uma máquina fabulosa e perfeita, contudo não teve ainda todos os seus mistérios desvendados”.

Atualmente, muito mais do que no passado essa inteligência tem sido solicitada para auxiliar a solução para os grandes problemas que a humanidade enfrenta.

As organizações, em particular, têm necessitado bastante do poder de imaginação, de criação e inovação, para superar os obstáculos e as barreiras cada vez mais difíceis do mundo do negócio. O conhecimento e a mente humana são ingredientes essenciais na sociedade do conhecimento, daí o resgate desses elementos que, durante algum tempo, permaneceram desprezados e desvalorizados nos contextos organizacionais. A idéia de inteligência empresarial busca atribuir características próprias da inteligência humana às organizações, com o propósito de fazer com que estas reproduzam padrões humanos de comportamento e atitudes inteligentes quando se deparem com problemas a serem solucionados.

A busca da sobrevivência e do crescimento empresarial nos dias atuais baseia-se, necessariamente, no conhecimento e na utilização das idéias e ferramentas da inteligência empresarial.

Não se discute mais a necessidade da utilização de dados e informações como elementos de inteligência empresarial. O debate atual é como lidar com o volumoso número desses elementos para transformá-los em vantagem competitiva.

Neste contexto, este trabalho visa contribuir para a análise das ferramentas estratégicas, utilizadas pela inteligência empresarial que tem como finalidade fornecer fundamentos consistentes aos gestores, para que estes possam tomar decisões seguras acerca dos negócios. A tipologia quanto aos fins, segundo Vergara (2000), será descritiva e explicativa. Descritiva porque expõe os tipos de métodos e ações gerenciais utilizados em uma administração estratégica, e explicativa porque decodifica como esses métodos de ações gerenciais estratégicas são aplicados.

Quanto aos meios será telematizada, documental, bibliográfica e estudo de caso. Telematizada, porque busca informações utilizando-se da internet. Documental, porque é realizada através da análise de documentos de uma empresa privada. Bibliográfica, porque é um estudo desenvolvido com base em material publicado em livros e estudo de caso, pois se faz uma análise de uma organização privada, na utilização de seus métodos e procedimentos.


Para ler o artigo completo acesse a página do site: